Galeria Pretos Novos de Arte Contemporânea Inaugura Exposição: mãe preta – memória da escravidão, maternidade e feminismo

 

Modos_de_Olhar#2.7
Foto:Marc Ferrez/Coleção Gilberto Ferrez/Acervo Instituto Moreira Salles.

A exposição MÃE PRETA retrata as conhecidas imagens das amas-de-leite negras, registradas desde meados do século XIX ao início do século XX, além dos elos e ressonâncias entre a condição social da maternidade durante a escravidão e vozes de mulheres e mães negras na contemporaneidade. A ideia da exposição surgiu da pesquisa de Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa e tem a curadoria de Marco Antônio Teobaldo.

As imagens têm intervenções de objetos óticos como lupas e vidros e destacam  a complexidade das relações das amas-de-leite com as crianças brancas de seus senhores, das mulheres escravizadas e seus próprios filhos. ”De tão conhecidas, estas imagens são vistas de forma superficial e não revelam as histórias de violência sofridas por estas mulheres”, explica Patricia Gouvêa.

Modos_de_Olhar#2.9
Foto: Marc Ferrez/Coleção Gilberto Ferrez/Acervo Instituto Moreira Salles.

Para Isabel Löfgren, exposição busca ligar a representação daquelas mães pretas e da maternidade no período colonial ao protagonismo exercido pelas mães negras de hoje. “Nosso posicionamento é feminista no sentido de dar visibilidade às histórias das mulheres, além de questionar o motivo das lacunas históricas em relação ao papel fundamental da mulher negra na nossa história social e visual”, afirma Isabel Löfgren.

De acordo com Marco Antônio Teobaldo, curador da exposição, as artistas têm realizado uma apurada pesquisa nos últimos 18 meses sobre o tema, que desencadeou uma série de reflexões e perspectivas acerca da mulher negra no Brasil. Por esta razão, as autoras optaram por dar voz a estas mulheres, por meio de um trabalho em vídeo, para que elas possam falar sobre maternidade, discriminação, memória, ancestralidade e outros temas. Como parte de um trabalho mais conceitual, estatísticas de mortalidade infantil da época de funcionamento do Cemitério dos Pretos Novos serão comparadas com dados atuais.

A exposição tem imagens do acervo do Instituto Moreira Salles e releituras de livros com gravuras de Jean-Baptiste Debret, Johan Moritz Rugendas entre outros.

Exposição de: Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa

Curadoria de: Marco Antonio Teobaldo

Local: Galeria Pretos Novos  de Arte Contemporânea

Abertura: 23 de julho às 15h

Endereço: R. Pedro Ernesto, 32/34,Gamboa, Rio de Janeiro, RJ

Tel: +55 21 2516-7089

Período: 25 de julho a 25 de setembro

Dias: 3a a 6a – das 13h às 19h | Sábado – das 10h às 13h

Metro: Central

Entrada: Gratuito

redacao@basedenoticias.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *